Alimentos industrializados voltam a dominar o cardápio das escolas paulistas, governo confirma

Mudanças foram denunciadas pela chef Janaína Rueda, que por três anos capacitou merendeiras e orientou a adoção de alimentos in natura e receitas típicas na merenda

Rafaela Polo

Há 13 dias, a chef Janaína Rueda escreveu um artigo para o jornal Folha de S. Paulo contando as alterações sofridas pelo projeto Cozinheiros pela Educação, que ela ajudou a criar em 2016, para melhorar a qualidade das merendas escolares do Estado de São Paulo. No texto, também enviado para o Instituto Brasil a Gosto, a cozinheira denunciava mudanças no cardápio e corte nos treinamentos das merendeiras — o que fez com que ela tomasse a decisão de se afastar do projeto.

Hoje (11/3), a Folha voltou ao assunto, em sua principal manchete: Em SP, merenda volta a priorizar industrializados. Na comparação feita pelo jornal, o cardápio atual é avaliado ao lado do criado em fevereiro de 2018: alimentos in natura foram substituídos por processados, que além de terem matérias-primas que não são ideais para a saúde, muitas vezes têm baixo teor nutritivo, muitos conservantes e estabilizantes, o que atrapalha o desenvolvimento de crianças e adolescentes.

No Instagram, Janaína Rueda postou uma foto da capa do jornal com a legenda: “Hoje é um dos dias mais tristes pra mim. Só consigo pensar na minissérie Os dias eram assim”.

 

Procurada pelo Instituto Brasil a Gosto desde o dia 28 de fevereiro, a Secretaria da Educação não nos deu um posicionamento sobre o caso.