Novo uso da mandioca: pratos, talheres e embalagens comestíveis

Empresa do interior de São Paulo cria produtos a partir de resíduos agroindustriais

Situada em Botucatu, no interior de São Paulo, a Oka Bioembalagens desenvolveu uma linha que inclui bowls, colheres, caixas de ovo e para chocolates feitas com fécula de mandioca.

“São crocantes, resistentes até 200 graus, atóxicas e funcionam bem para degustações e coquetéis, ocasiões em que as comidinhas de um bocado predominam”, dá a dica a empresária Érika Cardoso, designer idealizadora da marca.

Com aparência de isopor, a linha, na verdade, é duplamente sustentável: utiliza resíduos normalmente não aproveitados e ainda é comestível.

Focada no conceito de “lixo zero”, a empresa só trabalha com matérias-primas renováveis, o que inclui a fécula da mandioca e fibras naturais de outros resíduos agroindustriais. “A produção é limpa e o resultado é um material integrado ao ciclo natural da vida. Isso significa que podem ser descartados em qualquer bioma, virar compostagem e até ração animal”, diz Érika.

Oka Bioembalagens
www.okabioembalagens.com.br