Thiago Andrade: a história do chef do Instituto Brasil a Gosto

Desde o estágio no restaurante de Ana Luiza Trajano, até a viagem para conhecer a fundo as gastronomias italiana e portuguesa, o paulistano busca valorizar o ato de comer

 

Thiago Andrade ainda cursava Gastronomia (na faculdade Anhembi Morumbi, em São Paulo), quando começou como estagiário no restaurante Brasil a Gosto, em 2011. Aos poucos, o ex-publicitário passou de subchef a chef e braço direito de Ana Luiza Trajano, não só na cozinha do espaço nos Jardins, mas também em eventos e palestras pelo país e na produção dos livros que levam a assinatura da fundadora e presidente do Instituto Brasil a Gosto.

 

Em meados de 2017, Thiago embarcou para uma temporada europeia. Em Portugal, fez uma imersão com o badalado chef Vitor Sobral, importante embaixador da gastronomia portuguesa. Passou pelas três casas de Sobral em Lisboa: Peixaria, Tasca e Balcão da  Esquina – todos os negócios do português, além mar ou aqui no Brasil, levam o “da Esquina” no sobrenome. A experiência logo o fez perceber que o país tem muito mais que os tradicionais bacalhau e pastel de Belém. “Foi ficando claro pra mim que muito da base da cozinha  brasileira vem da portuguesa: os arrozes, os cozidos, a doçaria… Da mesma forma, o nosso boteco remete às tascas portuguesas, onde eles comem bem e gastam pouco”, conta Thiago, 32 anos.

 

O paulistano, então, partiu para a Itália, a fim de concluir a trajetória de reencontro com suas origens familiares. “Lá, fala-se de comida o tempo todo. Está  no DNA do país. Para os italianos, importa muito a sazonalidade, a qualidade e o frescor dos ingredientes.” A paixão local pela própria cultura gastronômica foi um dos fatores que encantou o chef e também Ana Luiza, quando lá morou durante o curso de gastronomia.

 

Ao retornar ao Brasil, em meados de 2018, Thiago foi convidado por ela para assumir como chef do Instituto Brasil a Gosto. Entre suas atividades estão a pesquisa de ingredientes e fornecedores, receitas e técnicas brasileiras – caso do moquém, espécie de churrasco que era feito pelos indígenas e caçadores bem antes da colonização portuguesa. Thiago também coordena a participação do Instituto em feiras e eventos e ministra cursos e palestras pela organização. Ao lado da presidente, vem trabalhando, ainda, no desenvolvimento de uma linha de produtos com a marca Brasil a Gosto. “Vim com a missão de mostrar para as pessoas que comida brasileira não é uma moda apenas. Ela faz parte da nossa essência”, diz.

 

Foto: Arroz lambe-lambe (Ale Schneider)