[vc_row css=”.vc_custom_1492008828909{margin-top: 40px !important;}”][vc_column][vc_column_text]

A receita fazia milagres na sua infância? Repita a dose!

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][nd_options_text nd_options_text_tag=”h1″ nd_options_text_weight=”normal” nd_options_text=”Rafaela Polo” nd_options_text_color=”#727475″ nd_options_text_font_size=”20″ nd_options_text_line_height=”20″][nd_options_spacer nd_options_height=”50″][vc_column_text]Baixou um resfriado chato por aí? Ou só precisa de carinho e uma sopa para se esquentar? Nossa dica: uma canja com gosto de cuidado de avó! Tem quem jure que ela cura de dor de cotovelo até resfriado! A origem do prato – que chegou a ser um dos preferidos do imperador Dom Pedro II – é, vejam só, asiática. [/vc_column_text][vc_column_text]A “kanji” (em malaiala, língua falada em Kerala, no sul da Índia) foi de Goa a Portugal e de lá chegou até nós, sofrendo acréscimos e modificações. No século 18, chegou a ser servida até em refeições de gala, com ovos diluídos. Hoje em dia, graças a Jorge Benjor e às nossas avós, todo mundo sabe que “canja de galinha não faz mal a ninguém”.[/vc_column_text][vc_column_text]Clique aqui e veja a receita completa no nosso site. [/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][nd_options_spacer nd_options_height=”20″][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_basic_grid post_type=”post” max_items=”3″ initial_loading_animation=”none” grid_id=”vc_gid:1615401572548-109f5707-140f-6″ taxonomies=”49″][/vc_column][/vc_row]